RÁDIO: UMA PAIXÃO NACIONAL

RÁDIO: UMA PAIXÃO NACIONAL
Janaina Sá Brito
Neste mês de Setembro, duas datas importantes envolveram e envolvem a comunicação. O dia do Radialista, que foi comemorado no dia 21 e o dia do Rádio, comemorado no dia 24. Tudo isso me entusiasma, pois estou falando da primeira e mais consumida mídia do Brasil, o Rádio. Ele surgiu há 94 anos basicamente com conteúdos musicais e noticiosos e era transmitido somente em AM (Amplitude Modulada ). A partir de 1975, o Rádio duplicou e passou a ser transmitido também em FM ( Frequência Modulada), fazendo assim com que o AM ficasse só com as notícias e o FM só com as músicas. Até meados da década de 40, as emissoras de Rádio só funcionavam em comodato, o embrião das TV’s por assinatura, fazendo com que os clientes pagassem uma mensalidade e tivessem um aparelho em casa para transmitir sua programação. Depois disso, as empresas passaram a pagar as emissoras para anunciar seus produtos, assim, estas tornaram-se públicas e faturavam em cima do mercado publicitário. Os aparelhos de Rádio eram enormes, uns móveis que tomavam conta da parede da casa das pessoas, com o tempo, vieram os aparelhos de Rádio movidos a pilha, fazendo com que estes se tornassem móveis e pudessem ser ouvidos em qualquer lugar. Até as décadas de 50 e 60, a programação musical das Rádios era toda ao vivo, com artistas contratados pelas emissoras, depois, vieram os discos e o som das emissoras passou a ser mecânico, então, só existiam os sonoplastas ou operadores de áudio, que reproduziam as músicas e gravavam os efeitos especiais das vinhetas, que antes eram feitos ao vivo .
Com o tempo, o Rádio foi evoluindo, mas desde a chegada da TV no Brasil em 1950, ouvia-se o boato de que ele morreria, mas nunca foi verdade, pelo contrário! O Rádio veio evoluindo cada vez mais e até hoje ele nos surpreende. Os Rádios de pilha viraram aplicativos de celular e desde a chegada da internet nos anos 90, as emissoras podem ser ouvidas no mundo inteiro através de computadores e dispositivos móveis. Não é maravilhoso? Agora com as redes sociais ficou ainda mais interessante ouvir Rádio, pois a programação também é vista e transmitida ao vivo pelo youtube e pela live do Facebook. Além disso, existe o chamado crossmídia, ou seja, a programação Radiofônica pode ser transmitida pelo Rádio, internet e TV ao mesmo tempo! Não é fantástico?
Outra coisa que o Rádio propiciou nos últimos cinco anos, foi a transmissão de uma mesma emissora de Rádiojornalismo em AM e FM, dando mais qualidade e audiência. O Rádio sempre foi um grande companheiro em diversos momentos, no trabalho, em casa, nos hospitais enquanto o paciente se recupera de uma cirurgia, na estrada, na praia, no hotel e em qualquer lugar, tem coisa melhor que isso? O Radialista ou Comunicador sempre teve um papel importante em uma emissora de Rádio, pois ele sempre demonstrou credibilidade dando as informações e tocando músicas, sua voz aveludada também causou sensações que mexiam com a imaginação das pessoas, principalmente do público feminino, que adorava ouvir os Locutores lendo cartas de amor em programas matutinos de emissoras populares. Antigamente, o Locutor não precisava ter formação Universitária em Jornalismo, pois sua função era a de Locutor, Apresentador, Anunciador e Noticiarista. Com o tempo, a função de Jornalista passou a ser importante na área da Locução e hoje não basta simplesmente ter o certificado e o DRT de Radialista, apesar de o STF ter determinado em 2009 que o Radialista não precisava mais ter o diploma de Jornalismo, não só o Radialista como o Jornalista também. O importante de tudo, é ter credibilidade e saber informar. Hoje, com as plataformas de música digital, as Rádios musicais passaram a se extinguir e o Comunicador passou a perder espaço ou migrar para as emissoras de Rádiojornalismo, pois lá ainda há oportunidades para estes, mas isso também refletiu-se na carreira dos Operadores de áudio, pois estes passaram a fazer playlists de músicas no computador para suprir a programação das poucas Rádios musicais de final de semana. Mesmo com todas essas mudanças, o Rádio ainda continua acompanhando e informando as pessoas, seja no Brasil ou no mundo, uma coisa é certa, essa mídia jamais morrerá, não sabemos o que vai acontecer com a comunicação nos próximos dez anos, mas o que sabemos é que o Rádio continuará existindo! Viva o dia do Rádio!

Autor: ANTENADA

Janaina Sá Brito nasceu no dia 03 de Abril de 1974 em Paris e aos seis meses, mudou-se com a família para Porto Alegre. É Radialista, graduada em Letras-Português e pós-graduada em gestão de conteúdo da comunicação social-jornalismo. O objetivo de seu blog é informar sobre todos os assuntos do momento, de forma dinâmica, sempre fornecendo pautas e notícias atualizadas , para quem vive na correria, mas quer sempre se informar sobre tudo que está acontecendo no Brasil e no mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s